sábado, 6 de setembro de 2008

O PORQUÊ ESTAR SÓ SE HÁ TANTA GENTE NO MUNDO

A opção de se estar só, não querendo que ninguém interfira na nossa vida particular.
O isolamento tem variadas formas, podendo ser da sociedade em si, de temer amizades ou amores.
A abertura de um espaço da parte de alguém que se isolou, obrigaria a que, de certa forma se iria expor a ser julgado por aquilo que somos ou deixamos de ser, impondo-nos condições e mudanças radicais da nossa própria personalidade, esta que por vezes até pode estar errada, mas que para nós, é uma forma de segurança, este aprisionamento de sentimentos serve para os selar, não deixando que se sai lesado em qualquer situação que venha acontecer, ainda por cima se, se está de alguma maneira em sofrimento causado por terceiros ou mesmo por nós, normalmente em situações que até ao momento, não se tenham superado.
È mais que natural e comprovado, que ninguém consegue viver muito tempo saudável em clausura, sem que se tenha de alguma forma contacto com outro semelhante, seja em que relacionamento for, conhecidos, amigos ou mesmo amores, nós temos de ter algo para desabafar o que nos entristece ou nos alegra,
È de acreditar que a insegurança dos dias de hoje é enorme, seja qual for o relacionamento, por muito que nós desejamos a honestidade pura, em qualquer palavra ou até um gesto, só com muito tempo de observação da personalidade de cada individuo é que se pode ter a certeza absoluta da veracidade do sentimento dessa pessoa.
No Mundo em que vivemos existe de tudo, muitas vezes não queremos ver a realidade, como no separar do bom e do mau, que é deveras difícil, pois o que vemos de bom por vezes vem se a tornar algo de mau, o que torna tudo difícil, é claro que o Mundo não é feito de negatividades e tem que se manter a esperança numa frase antiga, que de certa forma me contradiz, «o que é bom nunca se torna algo de mau»

E fico hoje por aqui, amigas(os)

6 comentários:

Val disse...

Bom dia Luiz,obrigada pela visita gostei muito de seus comentarios em blog.Estava lendo o seu texto e pensando o que você escreveu.Realmente há tanta gente no mundo amigos reais e virtuais. Quem disse que não existe carinho, amor e amizade pela tela do computador? Quem disse que a máquina é impessoal?São almas expostas, vidas entrelaçadas pela rede.Eu e vc temos sorte!Podemos conviver com pessoas especiais e com elas dividir um pouco de nossas vidas.Voce por nos receber e incitar a conversas em formato de comentarios.E nós, leitores e comentaristas deste espaço.Beijos de amizade

Carla Sofia disse...

Boa tarde, grata pelas suas palavras e visita.
Quando alguém vive isolado, quer por opção própria, quer pelas vicissitudes do destino, é natural que sinta receio quando se dá a conhecer. Sobretudo, se anteriormente tenha de alguma forma sofrido, por ter dado tanto a alguém que afinal não merecia. Todavia eu acredito nas pessoas, aliás, no valor das pessoas. É uma expressão com pouco glamour, mas costumo «dar o benefício da dúvida» e também não privo de ser quem sou. Honesta quanto a mim própria e aos meus sentimentos, quem não gostar, paciência. Também concordo consigo, que apenas o tempo nos dirá se estamos ou não correctos na apreciação do outro. E claro, como seres humanos temos a necessidade de viver conjuntamente, partilhar vidas e relações. É intrinsecamente humano e necessário à nossa vida.
É fácil conhecer pessoas, mas difícil é encontrar alguém que partilhe e sinta interesses comuns. Mas com «tanta gente no mundo» a percentagem razoável está assegurada. É uma questão de estarmos receptivos à descoberta do outro.
gostei deste post
Bj e bom fim de semana

Raquel Vasconcelos disse...

Numa palavra, temos medo.
Remetemos o que era suposto ter feito para o passado. A escola, o namoro, o casamento, os filhos... tudo está completo. Temos algo de robots... levamos anos a cumprir o que é suposto e depois acabou.
Ninguém nos pede mais nada... não nos ensinaram a ter que fazer mais nada... e ficamos ali, num cadeirão a observar os progressos do passado. Sem novidades, a correr o risco de um dia percebermos que na verdade apenas desistimos.
Com amizade,
Raquel V
(Venham mais cinco)


PS:
"Ia passando e mais uma vez parei um pouco"
É bom :) é pararem
Quando me ofereceram a música por causa da letra achei que fazia imenso sentido. Ou gostei do sentido porque me fazia jeito a mim. :) Seja uma ou outra razão...
"acreditem em mim quando eu falo no protector solar"

lebasi29 disse...

Vive-se num mundo de aparencias onde o que conta é o que se vê, deixou-se a honestidade, a verdade,
o respeito pela vida humana, estas são, cada vez mais, palavras esquecidas...

Paula disse...

Olá,
Fiquei sem palavras.... é bem verdade tudo o que dizes... E revejo-me naquilo que descreves...
Beijocas

Adelaide disse...

Gostei muito e dou-lhe total razão.
E lembrei-me daquela frase que não sei a autoria:"Podemos estar sós no meio duma multidão e não nos sentirmos sós na ausência de companhia"