sexta-feira, 13 de março de 2009

O EFEITO DAS CORES EM MIM

Quando ando perdido no trabalho, a melhor coisa que posso fazer é parar durante alguns minutos, procuro distrair-me com algo que venha á mente, o primeiro pensamento leva-me a imaginar algo, que na maioria das vezes até emergem boas coisas, ah, ah, ah, nada de malicioso, desta vez olhei para o Céu e como gosto de pinturas comecei a pensar em que cores iria pintar o um rascunho de uma tela, como já não pinto á muito, pois tenho dado os esboços a uma amiga que gosta de os completar.
O esboço é de uma quinta de vinhas na zona de Castelo Branco, onde se visualiza um casarão no cimo da encosta, com dois pavilhões de alguma dimensão também, algumas arvores em redor de grande porte, a encosta é feita de socalcos, nos quais eu dispus as videiras em carreiras bem alinhadas e definidas com estradinhas estreitas de acesso.
A pintura ligeiramente visualizada de cima deixa ver o largo em frente ao casarão e o seu redor arborizado, a cor verde, azul, amarela, preta, branca e vermelha, com alguma mistura destas vai dar para concluir o trabalho.
Só espero não perder a embalagem para o concretizar, ah, ah, ah, ah, amanha logo se vê, mas como eu ando muito feliz a obra faz-se.
Bem depois de tanto pensar o que deveria fazer a dois bifes que tinha, decidi faze-los na chapa, fritei umas batatas e um ovo estrelado, não é pelo cansaço mas sim pela simplicidade da confecção, pois não me apetecia faze-los de cebolada algo que já não faço á muito ou de outra forma qualquer.
Por esse motivo fui mais rápido para o sofá, levando o respectivo café.
Algo que li.
A RIQUEZA NÃO É NADA
A riqueza não é nada, comparada ao amor...
O amor é eterno com ou sem dor...
Sei o que sinto mas não te consigo dizer
Apesar de nada me impedir de o fazer.

Fala-me de ti como eu falo de mim
Quero um pouco do teu calor enfim
Porque não me ligas? Sentes algo por mim?
O teu olhar me cativou enfim....

Diz-me o que fazer para conquistar teu coração
Faço o que me pedires sem hesitação
Gosto de ti, e faço qualquer loucura
Não me ignores, pois eu não tenho cura.

Tu és a cura para a minha solidão
Desculpa eu não tenho perdão
Por tudo o que fiz, e que tentei fazer
Eu por ti seria capaz de morrer.

Foste uma paixão que passou ao meu redor
Desde a primeira vez que te vi no corredor
Agora pensando bem, não eras tu quem lá estava
Mas sim alguém que me amava.

Peço imensas desculpas por te chatear
Por eu pensar em te amar
Ilusão eu senti e não sabia
Mas eras tu quem eu mais queria.

Passas-te um dia por mim, eu não sabia o que te dizer
Tu também nunca me perguntaste como o fazer
Penso que tu não mereces o amor que por ti sinto
Desejo-te felicidades e sabes que não minto.

Resta-me a gora esperar que alguém conquiste meu coração
Estou com dúvidas em relação a uma rapariga, ou não?
Eu pensei muito mesmo, será amor ou amizade?
Só a vi uma, uma vez e já sinto saudade....

Eu sou um novato nestes grandes momentos
No amor e na amizade, misturo os dois sentimentos
Estou algo confuso peço a alguém que me ajude
Não quero magoar ninguém, alguém me acode.

Sinto-me parvo em dizer algo que me custa dizer
Eu sem duvida não sei o que dizer para teu prazer
Não estranhes meu comportamento por favor
Não quero perder tua amizade se assim for.

Compreendo que me achem um pouco estranho
O amor sei que é algo que não é ganho
Nem conquistado por seu belo prazer
Mas algo que surge sem ninguém prever.

Perdi 10 anos da minha juventude, não era o que queria
Sei que jamais vou recuperar a minha antiga alegria
Fui posto de parte por gente que não tinha categoria
Em parte fui culpado eu choro então todo o santo dia.

Chama-me covarde por não Ter o mínimo de coragem
De te dizer algo tão bonito em tua homenagem
Foste para mim algo que me fez despertar a alegria
Estive imerso 10 anos em pensamentos, quem diria?

Tentei por vezes em me apaixonar por algo sem paixão
Tentativas frustradas, perda de tempo? Acho que não
Tinha chegado o dia em que me deixei de ver
Da minha triste melodia do viver.

Por ti, e por todos sei que não fazem por mal
Mas sentem tanto medo como eu, por tal
Despeço-me com enorme carinho, e com amor
Desta vida que me deu tanta dor.....
(Autor: Carlos Alberto Soares dos Santos)

2 comentários:

Pelos caminhos da vida. disse...

Tem selinho la pra vc amigo.

Fim de semana de luz.

beijooo.

FERNANDA & POEMAS disse...

QUERIDO LUÍS, BELÍSSIMO POEMA... APAIXONANTE A TUA CRÓNICA...ADOREI,
COMO SEMPRE AMIGO, GOSTO DE LER-TE...
UM ABRAÇO DE CARINHO E TERNURA,
FERNANDINHA