sexta-feira, 6 de março de 2009

CÁ ESTOU DE REGRESSO AO…

Descanso merecido neste início de um perspectivo agradável e maravilhoso fim-de-semana, sei que nada vai interferir na minha bela escolha de como o irei passar.
Irei desligar-me de tudo e de todos o que tentarem modificar a esplendorosa experiencia que está programada para sábado de madrugada, não irei divulgar neste momento, pois terei oportunidade de a comentar, não totalmente mas sim superficialmente, pois como sabem quando eu começo a escrever algo com bastante entusiasmo dificilmente consigo parar, ah, ah, ah, ah.
Estou deveras excitado de como irei lidar com a expectativa, a chegada da hora de estar presente no espaço que já combinado e reservado para o efeito é enorme.
È algo que já não experimento á muitos anos, mas que sei que irei conseguir lidar bem com a situação, melhor até do que á uns largos tempos atrás, pois sinto-me bastante confiante e com imensa vontade de êxito no meu desempenho.
Ah, ah, ah, ah, irei, divertir-me como se de um rapazinho se trate, recordar momentos passados duma época divina, os meus dezoito anos.
Ainda mais as amigas e amigos organizadoras desta concentração são muitos especiais e algumas de longa data.
Tive de parar aqui por hoje, pois tinha que fazer o bife na gralha e as batatas fritas com o ovinho estrelado, pois já é muito tarde.
Mas deixo um poema para lerem.

Talvez paixão, porque não?
Avassaladora, que me arrasta impunemente,
Sem vergonha, sem pudor.
És tu, meu amor?

Ah, amada querida,
Como desejo satisfazer no teu corpo,
O que me vai no coração,
Com beijos loucos de paixão.
Um fogo imenso que me devora a lucidez,
Uma fome voraz, que insiste num repasto de carne crua,
Um afogar de volúpia como se fora a primeira vez,
Com corpos numa enérgica luta nua.

Paixão vertida numa cama de linho,
Num quarto solarengo da cidade,
Entre corações em desalinho
E onde não importa a idade.

Entusiasmo de adolescentes com vivências de outrora,
Espasmos de entrega e sussurros com ardor,
Carne viva sem pressa de ir embora,
Numa amálgama de prazer e furor.

Entrega total sem pressa do calor que jorra,
Sem noção do tempo que passa,
Num extase de afecto e de carne que torra,
Calor criado na verdade, sem farsa.

Carne que se mistura com rubor.
És tu, meu amor?
(Autor Desconhecido)

Bem, vou ficar mesmo por aqui.
Amanha, motivado a deslocações e preparações irá ser quase impossivel postar algo no blog.
Assim desejo-vos um belissimo e agradável fim de semana. Fiquem maravilhosamente bem.

6 comentários:

Paula disse...

Bom dia,
Já vi que a noite vai ser de diversão... Boa:)
Diverte-te e tem um bom fim-de-semana.
Beijos,
Paula

Pelos caminhos da vida. disse...

Que tudo saia como planejaste.

Um gde dia pra vc amigo.

beijooo.

Papoila disse...

Pois então uma grande encontro! Que seja muito bem passado e rever velhos companheiros é sempre um prazer.
Grata pelas visitas.
Beijo

Val disse...

Olá Luiz,tenha um final de semana maravilhoso amigo.
Que esta noite seja com muita alegrias em rever seus amigos.
Divirta-se meu amigo.
Bejos com carinho

FERNANDA & POEMAS disse...

QUERIDO AMIGO, GOSTARIA DE TE OFERECER O RAMO DE ROSAS VERMELHAS QUE ESTÁ NO CABEÇAHO DO SONETO QUE ACABEI DE ESCREVER, GOSTARIA MUITO QUE ACEITA-SES... UM GRANDE ABRAÇO DE AMIZADE,
FERNANDINHA

Vieira Calado disse...

Eu postei sobre a mulher.
Como é dia internacional delas...

Um abraço