quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

A VIDA É ESTRANHA…

Tenho tudo para estar contente com ela, sou feliz não tenho problemas agora de género algum, o dia de trabalho foi excelente, mas por vezes chega a noite e entro em tristezas incompreensíveis, sem que exista razões aparentes para que me sinta de tal forma desassossegado e melancólico.
Pergunto-me a mim mesmo os motivos de tal mal-estar, mas por mais que tente não encontro um motivo forte para o que sucede comigo.
Anda-se de um lado para o outro sem saber exactamente o que fazer para sair desse sufoco que me entope o ar que respiro, chega a ser deveras irritante e frustrante, pois eu sou alegre por natureza e qualquer coisinha me faz imaginar situações felizes.
Digo para mim para olvidar o momento incómodo, mas está cada vez mais difícil de arranjar algo para animar.
Algo muito escondido no meu interior me está a assombrar bloqueando a minha felicidade.
A vida é tão bela e não a consigo desfrutar livremente como eu desejo, sinto-me preso a alguma coisa que terei de descobrir rapidamente para encontrar paz.
E em dias como este pouco me apetece fazer para o jantar, mas como tenho de me alimentar, a receita hoje vai ser: Coxas de frango
INGREDIENTES
1 – Colher de sopa de margarina
1 – Colher de sopa de salsa picada
2 – Colheres de sopa de manjericão
1 - Colher de sopa de sal
1 – Colher de sopa de páprica
8 – Coxas de frango
CONFECÇÃO
1. Num recipiente pequeno, coloque a margarina e leve ao forno por 1 minuto na potência máxima, para amolecer. Junte os demais ingredientes, com excepção do frango.
2. Num recipiente redondo, arranje as coxas de frango com a parte mais fina voltada para o centro do prato. Pincele com metade da mistura de margarina e leve ao microondas por 15 a 20 minutos na potência média máxima, até que a carne perto do osso esteja cozida. Na metade do cozimento, vire as coxas e pincele com o resto da margarina.

Para o café da noite.
HEI DE TE CONTAR
Deixa a poeira baixar
Deixa o vento levar
Deixa o tempo apagar
.
Os rascunhos que aqui deixei
Nem sei se vão ficar
.
Sei que a brisa do mar
Nem de longe pode comparar
Com o toque do teu olhar
.
Os rascunhos que aqui deixei
Nem sei se vão ficar
.
Sei que de longe voltarei
Sim, hei de retornar
.
Para que em minha última hora
A poesia veja a aurora
A palavra encontre a glória
.
No verso sucumbe a história
Que aqui há-de de deixar...
.
Os rascunhos que aqui deixei
Nem sei se vão ficar...
(Autor: Miguel)
.
Espero que amanha já tenha passado este mau bocado, a vida continua a ser a minha prioridade, mas convinha ter mais felicidade.
Fiquem bem pois por mim isto vai passar.

3 comentários:

FERNANDA & POEMAS disse...

QUERIDO AMIGO LUIZ, PENSO QUE TU TE SENTES SÓ, MAS ISSO REALMENTE É UMA SITUAÇÃO QUE TEM QUE SER BEM PONDERADA... HÁ POR AÍ MUITA MULHER SEM ESCRÚPULOS... PENSA QUE ANTES SÓ QUE MAL ACOMPANHADO... PENSA MUITO BEM ANTES DE UMA DONZELA BATER Á TUA PORTA... UMA BOA NOITE DE CARINHO E TERNURA,
FERNANDINHA

Paula disse...

Olá bom dia,
A vida continua sempre.... Ainda que existam contratempos.
Beijos,
Paula

Luísa disse...

Querido Amigo

Então que desanimo é esse?

Vamos lá a animar que o amigo tem força para isso!

Olhe o que lhe gabo é bom gosto culinário e o seu jeito!

Um beijinho

Luisa